terça-feira, 29 de março de 2016

Centros Europeus de Recuperação de Aves Marinhas (I)



 Gaivota vitima de poluição marítima (crude)

Excluindo as aves que descobrimos com anilhas “piratas” não reconhecidas, quem pratica a observação de aves anilhadas (Ringwatching), regista não só indivíduos que foram marcados por Grupos ou Instituições dedicadas à anilhagem de aves com objectivos de carácter cientifico (Ex: na Europa, projectos EURING) mas também por Centros de Recuperação que, embora não seja a sua principal vocação, anilham aves quando as devolvem à Vida Selvagem recuperadas de enfermidades ou subnutrição.

Não tenciono aqui evidenciar o trabalho promovido por estes Organismos porque sei que é do conhecimento de todos a importância dos serviços operados em prol da preservação das espécies realizados nos Centros de Recuperação.

Pretendo somente prestar homenagem e dar conhecimento dos Centros que regularmente prestam assistência a aves marinhas e dos quais já registei nas minhas observações aves por eles tratadas/anilhadas.
Vou começar a rubrica “Centros Europeus de Recuperação de Aves Marinhas” com a divulgação de um Centro inglês, e continuarei brevemente a apresentar outros organismos similares.





Este projecto começou na primavera de 2011 fazendo parte do estudo para terem conhecimento sobre o nível de sobrevivência das aves reabilitadas no SWWR.
Do inicio ao termo (2013) do período em estudo, anilharam 250 aves das espécies Larus fuscus e Larus argentatus. A maioria das gaivotas reabilitadas foram encontradas por habitantes locais e eram originárias de colónias de nidificação em áreas urbanas próximas. Quando não era possível a devolução ao ninho, foram recolhidas e criadas neste santuário de vida selvagem.
Embora não muito actualizado pode consultar aqui um relatório intercalar sobre este estudo.



Espécie – Gaivota d'asa escura (Larus fuscus)

- Anilha - R[S:195]
- Anilhador - Mike Bailey
- Idade quando anilhada: Pinto (ainda não voava)
- Data e local da anilhagem – 27.08.2012 – Highbridge, Somerset,England 
- Distância entre Highbridge e Praia de Matosinhos - 1200 kms (em linha recta)

Curiosidades migratórias:
- Depois de fixada a anilha em Agosto de 2012, esta ave foi avistada/registada apenas duas vezes:
1 – em 30 de Junho de 2015 em Exeter, England;
2 – em 25 de Março de 2016 em Matosinhos, Portugal

Highbridge > Matosinhos = 1.200 ks

>>>|||<<<

Agradecimento:
- A história de vida desta ave foi disponibilizada por: Mike Bailey

>>>|||<<<